domingo, 14 de dezembro de 2008

Quem é vivo...

Quem é vivo sempre aparece! Por isso, aqui estou.
Atrasei, mas compareci!
E me encontro na situação mais agradável do mundo: férias!
Ô, beleza!

Então, poesia hoje pra voltar às raízes.



Sapos estomacais

Que te custa ocultar essa tua alegria?
Que te custa mudar teus valores?
Cambiar da voz a melodia,
Tirar do peito os ardores...

Mudar de cara, de tribo
De som, de figura,
Tirar da alma a mistura
De cinismo tão contundido.

Rio-me agora,
Mas não há sinceridade
Nessa boca semi-aberta.
É que teu riso tão solto,
Tão mau,
Me morde o orgulho
De forma indiscreta.

Pode olhar atravessado
E de indiretas encher teu discurso.
Vou levando meu sorriso amarelo,
Meu único recurso.

E na digestão dos sapos,
A felicidade que estava em trapos,
Se reconstrói.
Porque não sou esponja,
Sou escudo
E o que me atinge não destrói.

Luisa Iva, em 04/11/2008


Ponto final.
E boas férias!

5 comentários:

Bia disse...

"E na digestão dos sapos,
A felicidade que estava em trapos,
Se reconstrói.
Porque não sou esponja,
Sou escudo
E o que me atinge não destrói."

WOOOOOOOOW
que verso puto inspirado
*----------------*
Lú, vc é demais! fala sério, sempre me surpreende. MUITO BOM. MUITO BOM MESMO.

Parabéns, minha poeta *-*
essa foi demais. estou =O

Bia disse...

versos*

mais de um =P

Thiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago disse...

Lú. Manter e superar a qualidade, tanto dos assuntos abordados nos poemas quanto nas rimas, no humor incumbido(nossa em tudo!)é o que prova o seu dom! Noooossa, adorei esse, mais uma vez: ficou a sua cara.
hehehehe
BjO do Thiago Idoso.
;]

Julia disse...

Ownn!
Lindo, apesar de você ser também 'um sapo' que eu digiro diariamente ;)
haihaihaihahaihahiah