quarta-feira, 22 de abril de 2009

Amor, inspirações.

Digamos que o poema seja uma "parceria" com Vinicius de Moraes (Soneto de Fidelidade).


Amor, inspirações.

De tudo ao meu amor serei atento
Não que seja atenção o meu forte
Ou que tenha tido ao encontrá-lo
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
E a cada dia, a cada nova hora
A cada instante mudo, a cada respirar
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento
E meus olhos, e meu riso e minha alma.

Quero vivê-lo em cada vão momento
Porque momento de amor nunca é vão
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
Em cada esquina, em cada pedaço de chão
E rir meu riso e derramar meu pranto
De lágrimas transparentes brilhantes de amor
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Porque deixar a vida seria abdicar de ti
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
E dor que transcende a morte

Eu possa dizer do amor (que tive)
E tenho, e vivo, e guardo no peito:
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Eu posso abrir uma exceção:
Quer durar para sempre?




Luisa Iva, 22/04/2009


Reticências, corações, suspiros
E ponto final.

5 comentários:

Julia; disse...

adorei!
pricipalmente os últimos versos :D

C2H2O4 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

que lindo :O

Thiago De Brito disse...

Desculpa ae mas esse texto foi para mim
Tenho certeza disso ! hehe

Está perfeito como todos os outros!
=D

ah, antes que vc me cobre uma resposta
ela é 'SIM'...


Eu te amo muito !

Maria Eduarda Selva disse...

Estou comentando pelo Voluntários em Ação.

Adorei! Adorei o blog, o nome dele, o post... Parabéns.

Acho que o teu blog seria importante para o Movimento Blog Voluntário.
www.blogvoluntario.org.br