quinta-feira, 19 de março de 2009

Eis que surjo novamente.

Quanto tempo! E nem me fale em tempo... Eu não tenho tempo mais nem pra mim, quanto mais pra ficar atualizando o blog. Mas, eu sinto falta, sinto mesmo.

Nesses meses eu só faço uma coisa (e com muita maestria, diga-se de passagem): RECLAMAR.
Eu reclamo com que está do meu lado, reclamo na internet (nas raras vezes em que eu tenho tempo pra ela), até ligar pras pessoas somente com o intuito de reclamar eu estou fazendo.

Eu reclamo 2 horas, estudo 10 minutos. Estudo duas horas, reclamo mais uns 20 minutos. Normalmente o tempo da reclamação é maior.

E, nesse clima de reclamação, revolta e afins: A poesia (que veio do fundo da gaveta):

Ode aos errantes

O erro faz crescer
Alimenta a alma em sua longa missão.
E em teus passos trôpegos,
Sem rumo e equilíbrio,
Constrói-se uma ponte sólida.

Erra!
Erra e orgulha-te!
Repensa, reage,
E segue...
Segue...
Segue errando na tua paz!

Em teus erros já me espelho,
Quero errar como tu erras
E desprezar meus pés cortados
De tanto pisar em pedras.

Errantes, olhai em volta!
Quantas pontes edificadas!
Quantas pedras removidas!
E em vossos pés calejados,
Eis o mapa de vossas vidas!

Luisa Iva Maia Forte
28/12/2007


Ponto Final.
Até a próxima.

3 comentários:

Joao Gabriel disse...

suuuurrrreeeeal! JGB

Thiago disse...

Perfeito Lú!
Você esculacha!
É bem "vestibulacional" esse poema...hehehehe
Adorei, parabéns.
;)

Ju disse...

muuuuuuuuuuito bom!
pena que a metdade do seu tempo se perde reclamando de mim, mas eu supero ;D
ushaushas
;*