quinta-feira, 24 de junho de 2010

Lacunas

Não sei bem de ti, meu amor,
Nem de mim sei bem.
Sei tão pouco do mundo
Que dele nem sei se faço parte.
E do mundo alheio,
Alheio a ti estou.

Sei tão pouco de ti
Que em ti não sou.
Sei tão pouco das cores
Que me sinto cinza.
Da luz também não sei, amor
E te amo no escuro,
Assim, sem poder mostrar-me.

Sei tão pouco da vida
Que nem sei se vivi dela o bastante
Ou se ainda me resta algum fio da linha do tempo.
Não sei se faço parte
Ou se sou inteiro.
Não aprendi a contar histórias, nem estrelas.

Só sei que sou velho.
Isso as rugas me contaram.


Luisa Iva
em 24/06/2010



Reflitam.

E...
ponto final.

9 comentários:

Luís Felipe Sá disse...

Cara, ja falei q ta foda, mas nao custa falar denovo. Parabens, e Clarisse que se cuide... auehiue beijo

Anônimo disse...

Muito bom!

Anônimo disse...

mt bom, ((:

luiz scalercio disse...

bellissimo
texto.
gostei muito
do blog valeu.

degaragem disse...

lindo poeminha, parabéns :)

Gustavo disse...

Mt bom!!!

vlw!



Post novo!
me siga e deixa um comentário com seu q eu sigo tbm
http://entrenafaetec.blogspot.com/

Miss Carol disse...

Belo texto...

mulherices disse...

Adorei o poema. Boa sorte, escritora. Você tem talento.
Abraços
Lílian Buzzetto do Mulherices.

Anônimo disse...

Belo texto e bom blog!! xD